terça-feira

Você não é meu pai


Essa história é curta, mas é engraçadinha.

Um dia meu pai tava andando no shopping vendo vitrines, procurando alguma coisa pra ele - provalmente uma camisa social ou algo relacionado a computador - quando do nada um garotinho, deveria ter uns 5 anos, agarrou a mão dele e saiu andando com ele por uns segundos - detalhe que meu pai nem se ligou de que eu não estava com ele e muito menos que eu nao tenho mais cinco anos - quando o menininho olhou pra cima e gritou assustado: você não é meu pai! E largou a mao do MEU pai e deu uns passor pra trás, com medo.

Foi aí que ele se tocou - e o gurizinho também - de que tinha alguma coisa errada e que aquele realmente nao era um dos seus filhos. (meu pai tem 4 filhos, eu sou a mais nova) O menininho gritou tao alto que o pai de verdade dele ouviu e foi atrás dele.

Sei q meu pai nao foi acusado de sequestro porque ficou com o filho do outro por uns segundos, mas o menino com certeza ficou muito assustado com tudo. O pai verdadeiro dele só começou a rir, junto com o meu.

Isso me fez lembrar uma história minha.

Eu devia ter uns 3, 4 anos também, estava em Santa Catarina, terra da minha mãe, andando com toda a família no shopping - pai, mãe, avó, irmão - da cidadezinha lá.

Nao sei bem porque - até mesmo pq com 4 anos a gente nao lembra de muita coisa - mas quem tava andando comigo de mao dada era minha vó. Sei q de repente eu sumi. (agora a versão é dos meus pais e da minha vó) Minha vó tem problemas de audição, provavelmente eu falei alguma coisa que ela nao ouviu e eu fui fazer o que tinha dito.
Sei q quando ela se deu conta de q eu nao tava por perto foi um pânico geral. Ela começou a chorar, gritar, até achar meu pai e minha mae. Contou que tava comigo bem alí e de repente puff eu tinha sumido.
Minha mae ficou louca - ela diz que achou q tinham me sequestrado pq eu era uma criança bonitinha, dessas que anda de vestidinho rosa rodadinho, maria chiquinhas e sapatinhos limpinhos, ou seja, uma criança toda arrumadinha - começou a procurar em tudo que era buraco do shopping. Meu pai já é um cara mais racional e perguntou pra minha vó: Onde foi a última vez que vc lembra de estar com ela? E minha vó mostrou o lugar.
Na hora, meu pai nao deve dúvida de onde eu estaria. Minha avó havia me perdido praticamente em frente uma loja de brinquedos e ao lado de uma loja de pedras preciosas. Meu pai entrou na loja, foi direto para a parte que vende bonecas Barbie e adivinha quem tava lá? Eu, sentadinha, comportadinha, brincando com algumas bonecas que estavam na caixa. Meu pai disse que quando eu o vi, nao dei nenhum sinal de desespero, falei apenas: Oi papai!
Agora vc imagina a cabeça da minha vó, na época com uns 65 anos e a minha mae, louca, neurótica procurando por mim. Sei que deve ter sido sinistro pra todos. Ainda bem que nada aconteceu de verdade.

Aqui vai um alerta para os pais: Nao deixem as avós na frente de lojas de pedras preciosas e muito menos crianças em frente a lojas de brinquedos. Se sua filha ou filho sumir, procure nas lojas de brinquedos antes de chamar a polícia!

To be continued...

3 comentários:

Andarilho disse...

Huahuhauha, muito boa essa história.

tanatus disse...

é verdade, procure primeiro onde tem brinquedos, depois, chame a polícia...rs.rs.rs.rs...

Anônimo disse...

rsrsrsrsrrrs
Muito sinistro mesmo, mais é sempre bom essas histórias pois ajudaaaaaam as pessoas a ter mais responsábilidades com as crianças não desreipeitando a sua vó,mais crinaça é assim ofereçeu bala doçes bonecas ou seja tudo que uma criança gosta ela vai mesmo.Mais eu gostei mesmo da história.
rrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs