domingo

Um é pouco, dois é...


Confusão das boas!!

Uma amiga minha me contou uma história que eu achei que só acontecia em filmes ou coisa assim.
Ela tinha por volta de uns 25 anos quando estava namorando com um homem chamado Ricardo. Ele é um cara muito bacana, mas ela tinha certeza de que ele a traia com outras meninas então ela (Carol) arrumou um outro namorado, em Buenos Aires. O argentino era tudo o que ela havia pedido a Deus. Quero deixar claro que ela namorava os dois ao mesmo tempo!!
Então o argentino era carinhoso, rico, dava presentes e fazia tudo o que ela queria. De 15 em 15 dias eles se encontravam. O Ricardo era o oficial, sempre foi, e ele e a Carol moravam na mesma cidade. Acontece que nessa época a Carol morava numa cidade que ficava há 2 horas de uma outra cidade, que era 100km longe da fronteira com a Argentina. Bem, nos finais de semana que ela queria ver o gringo, ela viajava para esta tal cidadezinha e o gringo encontrava com ela lá.
O coitado do Ricardo nunca desconfiou porque a Carol tinha parentes que moravam nessa cidadezinha. Ele só começou a desconfiar quando ela começou a aparecer sempre com presentes bons, caros e ele achava que aqueles não eram presentes que a família dava pra ela. Sei que ele só teve mesmo certeza no dia em que o Jean (o argentino) ligou pra Carol e o Ricardo tava do lado. Putz... Foi uma baixaria só.
Sei que ela assumiu que gostava do Jean e que iria com ele morar em Buenos Aires para ver se ela isso mesmo que ela queria.
Dito e feito.
Ela em uma semana fez suas malas e foi morar num hotelzinho perto da casa do tal Jean. Ela ficaria por apenas 2 semanas. Acontece que o tal Jean ficou tão empolgado com a vinda dela que fez milhares de programações, não saía de perto dela e ela acabou ficar agoniada com essa situação.
Então ela desistiu de ficar até o final da semana, faltavam apenas 3 dias para ela voltar pra casa mas ela não aguentava mais, então ela pegou um ônibus para o aeroporto, lá não haviam mais voos para sua cidade, então ela pegou um avião para outra cidade argentina, de lá pegou um ônibus, foi parar na fronteira da argentina com o Brasil e de lá foi andando na estrada, com um cara que conheceu no ônibus.
Ela combinou com o tal cara de que ela iria pedir carona para alguém para que eles pudessem chegar na rodoviária, para então pegar um ônibus, cada um para sua respectiva cidade. Não demorou muito e eles pegaram a tal carona, foram parar na rodoviária e depois de uns 3 horas ela já estava em casa.
Neste percurso, descobriu que realmente gostava do Ricardo, o corno que tinha ficado no Brasil. Então ela resolveu pedir desculpas para ele, dizendo que o amava e que queria voltar a namorar com ele. Ricardo era corno mais não era burro e com muita raiva xingou e terminou tudo com Carol.

Essa história daria uma novela mexicana daquelas bem ridículas... Eu não sei o que as pessoas tem na cabeça para fazer esse tipo de coisa... Hoje eu sei que a Carol não tá nem com o gringo nem com o corno. Ela tá sozinha, curtindo a vida dela de solteira e fazendo mais barbaridades com os homens!

To be continued...

3 comentários:

montanha disse...

Bem, chamar o cara de "corno" o tempo todo é sacanagem.
O que provou mais é que a Carol é uma PUTA ... e burra(meu ponto de vista).

Mari Dourado disse...

Uiaaaaaa Montanha falou GROSSO agora!! hhahaha
Calma amor... vc nao é o corno nem eu sou a puta.. entao... cada um com seus problemas né? hehe

Montanha disse...

Eu sei, paixão ... só é um ponto de vista. É que vc repetiu tanto "corno" no texto, fez parecer um ato "glorioso" da "puta" ... hehehehe
.
.
.
Beijão!