quinta-feira

Minha primeira vez num Sex Shop

Apesar de na minha casa sexo não ser visto como tabu, a primeira vez que fui ao Sex Shop foi quando eu já tinha uns 20 anos.
Eu estava em Santa Catarina, na cidade onde mora minha mãe e estava passeando com ela na rua, quando eu vi uma loja da Via Sexy.
A minha vida toda tinha visto propagandas espetaculáres da loja mas nunca tinha entrado lá. Pensei se passava lá rapidinho ou se comentava com minha mas propagandas.
Comentei:
-Mãe, tá vendo aquele Sex Shop ali? Tem altas propagandas legais... Uma é assim, assim... blá blá blá.
- Você nunca entrou em um sex shop filha?
- Eu não! Vou fazer o que lá? É tudo muito caro! (baseado no que o povo sempre falou né?)
- A gente pode ir só pra olhar. Quer ir lá agora?
- Pode ser!
Logo depois que falei isso foi me dando uma vergonha. Cada passo que eu dava em direção ao lugar parecia que minha cara ficava mais vermelha e eu mais nervosa. Era uma espécie de vergonha. Mas de que? Acho que era de estar ali com a minha MÃE.
Nunca ouvi falar de ninguém que tivesse ido a um lugar desses com sua MÃE!
Enfim. Minha mãe foi falando no caminho que ela e as amigas dela adoravam entrar no sex shop pra ficar zuando os objetos e brinquedos eróticos e que se tivesse dinheiro blá blá blá... Meu cérebro filtrou o resto da frase que saía da boca dela.
Meu pensamento estava no que aconteceria quando eu entrasse lá.
Entramos, eu de cabeça meio baixa, fui olhando rapidinho tudo o que tinha por ali... e já fui saindo, quando minha mãe me chama:
- Mari, olha o tamanho desse aqui!!!
Conhecendo minha mãe como conheço, já podia imaginar o TAMANHO do que ela queria me mostrar... Realmente. Acho que aqui era algo feito para ser usado por um animal de 4 patas, maior que um cavalo. Era gigantesco.
Comecei a rir. Meio tímida, nao queria parecer uma criança feliz entrando numa loja de brinquedos perto do seu aniversário. Enfim. Daí fui olhando as coisas que lá haviam e imaginando para que metade delas serviam. Tem coisas que voce só sabe pra que (ou quem) serve quando você le na embalagem: Para elas, Para eles ou Para elas e eles.
As piores são estas últimas. Pq se uma coisa ser para ambos os sexos é pq no mínimo o "ele" é mais "ela" do q outra coisa. Coisas roliças feitas para "eles" no mínimo é suspeito.
Cada um com seu cada um.
Sei que lá no meio das coisas toscas eu encontrei akeles baralhos com posiçoes sexuais, dados com posiçoes tbm entre outras coisas. E isso foi o que de mais legal eu achei por ali.
Fiquei com vergonha de sair da loja com a minha mãe mas fui na cara e na coragem e saí como se nada tivesse acontecido e fui conversando com minha mãe sobre as coisas toscas e engraçadas que havia visto lá.
Passado um tempo, chegou o natal e nós sempre fazemos um amigo oculto bem baratinho. Adivinha o que minha mãe ganhou? Cara. Era uma espécie de chaveiro, com um pinto e o escroto. E dai qnd vc apertava o corpo do pinto, pela cabeça saía uma geleca branca... Cara... muito engraçado. Sei que minha mãe, espirituosa do jeito que é, pendurou o pinto na cintura e saiu desfilando pela casa, rindo e fazendo todo mundo chorar de rir. Eu tenho fotos daquele dia e até hoje eu me mato de rir quando lembro o que rolou. Não sei mais onde foi parar aquele pinto, mas da ultima vez que eu fui lá ele nao estava mais no lugar de costume.
To be continued...

Um comentário:

Dymont disse...

Que história mais louca, hein!
E eu que nunca entrei num desses...

Abraços!